Novidades sobre o Autismo – Experimento liga forma de autismo a DNA saltador

Editoria de Arte/Folhapress


Os trechos de DNA apelidados pelos cientistas de “genes saltadores” — capazes de copiar a si próprios para outros pedaços do genoma de um indivíduo — estão relacionados a uma forma grave de autismo hereditária. A descoberta, descrita hoje pelo grupo do biólogo brasileiro Alysson Muotri em estudo na revista “Nature”, foi feita num experimento que produziu neurônios dos portadores da doença a partir de amostras de pele.

O trabalho é o segundo artigo de impacto assinado por Muotri, professor da Universidade da Califórnia em San Diego, em menos de uma semana. Seis dias atrás, o cientista divulgou estudo mostrando como os neurônios “autistas” têm problemas para se interconectarem. Agora, ele relaciona o autismo a uma instabilidade genética, pois os chamados retrotransposons — os “genes saltadores” — podem bagunçar o DNA de uma célula e alterar seu funcionamento.
Para reproduzir o neurônios autistas em culturas de células dentro de um pires de laboratório, Muotri usou a mesma técnica nos dois trabalhos. Seu grupo fez células de pele adultas reverterem a um estado primitivo, similar ao de um tecido embrionário, e depois as estimulou a se desenvolverem assumindo a forma de neurônios.

Essa ferramenta usada no experimento, as células iPS (células-tronco de pluripotência induzida), revelou-se perfeita para estudar a doença, pois não seria possível extrair amostras de células vivas do cérebro de uma pessoa para entender seu desenvolvimento.

“Ao investigar como os genes saltadores são ativados especificamente no sistema nervoso, descobrimos que eles eram silenciados por uma proteína chamada MeCP2, que aparece de forma mutante na variação de autismo conhecida como síndrome de Rett”, conta Muotri. A mutação na proteína, então, estaria implicada na proliferação dos retrotransposons.

Antes do experimento com as células iPS, Muotri já tinha obtido resultado similar usando camundongos transgênicos, portadores da mutação no gene estudado. “Criamos um modelo de cérebro tridimensional e descobrimos que as regiões do cérebro com maior número de neurônios afetados eram regiões relacionadas com os fenótipos [traços físicos] da síndrome de Rett”, conta o cientista.

Muotri, porém, afirma que ainda é cedo para dizer o que é causa e o que é consequência no estudo de pacientes de autismo. “A gente confirmou que existem mais retrotransposons atuando no cérebro desses crianças, mas nós não temos ainda como estabelecer causalidade”, diz. “Pode ser que eles não estejam causando o autismo. Pode ser que estejam contribuindo para algumas formas de autismo, apenas.”

Segundo o pesquisador, porém, a descoberta abre caminho para que se teste estratégias diferentes de tratamento no futuro. Medicamentos normalmente usados para atacar vírus (inibindo a cópia e multiplicação de DNA) poderiam eventualmente deter a proliferação desenfreada dos genes saltadores.

A ação dos retrotransposons no cérebro humano, contudo, pode não ser totalmente maléfica. O efeito benéfico, especula Muotri, seria o de conferir diversidade e complexidade aos neurônios, permitindo que a mente humana se estruture de maneira tão sofisticada. Talvez por isso a evolução os tenha preservado, apesar dos riscos.

Publicidade – RAFAEL GARCIA – BOSTON

Anúncios

2 pensamentos sobre “Novidades sobre o Autismo – Experimento liga forma de autismo a DNA saltador

Os comentários estão desativados.